tosse crônica

Tosse crônica em crianças e bebês: quais podem ser as causas?

Normalmente, a tosse é um mecanismo fisiológico que o organismo desenvolve para a sua proteção. Mas, existem situações que requerem um pouco mais de atenção, como no caso da tosse crônica, aquela que tem uma duração superior a quatro semanas.

Nos próximos parágrafos, vamos entender um pouco mais sobre esse tipo de tosse e quais são suas implicações. Acompanhe!

Quais são as causas mais comuns da tosse crônica?

A asma é a condição mais comum a figurar como causa da tosse crônica.

Mas, há outros fatores que contribuem para o seu aparecimento, como a rinorreia posterior e o refluxo gastroesofágico.

Esse tipo de tosse também pode ser consequência de outras causas menos comuns, tais como distúrbios inflamatórios, defeitos nas vias respiratórias ou no pulmão (nascença), discinesia ciliar primaria, distúrbios hereditários e até mesmo a aspiração de algum corpo estranho.

Alguns pontos importantes que merecem atenção especial:

  • O uso de supressores e expectorantes, geralmente, não são recomendados;
  • Quando a criança apresenta uma tosse que persiste por mais de quatro semanas ela pode ser submetida a radiografias do tórax, para uma melhor análise de sua situação;
  • Quando a tosse surge em crianças entre seis meses e os quatro anos de idade, a presença de um corpo estranho nas vias respiratórias sempre deve ser considerado;
  • Geralmente, as causas da tosse crônica podem ser identificadas por meio de exames médicos.

Como aliviar a tosse crônica da criança ou do bebê?

Como observamos anteriormente, a tosse é uma reação normal do organismo. Mas, isso não significa que os pais devem ficar parados.

Muito pelo contrário, existem algumas ações que, de acordo com a gravidade da tosse, podem ser muito úteis para minimizar o desconforto para a criança.

Uma dica muito útil é cuidar da hidratação da criança ou bebê, especialmente se a origem da tosse for algo relacionado a resfriados. Sucos e sopas podem entrar sem medo no cardápio diário.

A hidratação é essencial, pois ajuda o organismo a eliminar mais facilmente o muco e, como consequência, os efeitos da tosse são minimizados.

Fazer inalação com soro fisiológico também pode ser muito útil na hidratação da mucosa, e não representa nenhum risco para a criança.

O efeito desse procedimento é igual ao obtido quando algumas gotinhas de soro são pingadas no nariz.

Uma observação importante a ser feita é com relação aos umidificadores. De fato, eles podem ajudar quando o assunto é a hidratação das vias aéreas.

Porém, quando usados em excesso, podem ocasionar mais problemas, principalmente em pessoas e crianças que sofrem com alergias. Os umidificadores contribuem para a proliferação de mofo e ácaros.

Além desses cuidados, é muito importante que o quarto da criança seja mantido sempre arejado e limpo. Odores fortes, incensos e fumaça de cigarro são coisas que devem estar longe desse ambiente.

Por fim, vale reforçar que se os sinais se estenderem por mais de dez dias, o pediatra deve ser consultado. O especialista deve avaliar detalhadamente a situação, para prevenir ou tratar episódios de tosse crônica.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como pediatra em Belo Horizonte! 

O que deseja encontrar?

Compartilhe